Vinhos e Gastronomia – Mosel & Reno

Mosel & Reno   •  Vinhos e Gastronomia  •  História

A região vinícola Rheingau: pura alegria de viver.

Na região Rheingau, predominam as castas Riesling e Spätburgunder. Como os mosteiros de Rheingau já cedo cultivavam o vinho, criou-se uma longa tradição vinícola. Essa reputação abriu as portas de todas as grandes famílias nobres para os vinicultores de Rheingau, como fornecedores das melhores videiras. Rheingau goza de reputação internacional também devido à Escola Superior de Vinicultura e Enologia, em Geisenheim.

Rheingau MAP

Particularidades regionais

Área cultivada de vinhedos e casta

Em Rheingau há uma área de cerca de 3.000 hectares de vinhedos produtivos. Rheingau é um território clássico do Riesling (78,5% de área ocupada). A casta Spätburgunder vem ganhando cada vez mais importância (12,5%). Ao mesmo tempo, são produzidos também Müller-Thurgau, Ehrenfelser, Weissburgunder e Grauburgunder, além de Dornfelder, Portugieser e Frühburgunder. Os vinicultores vem cultivando também cada vez mais variedades internacionais, como Chardonnay, Sauvignon blanc, Cabernet Sauvignon e Merlot. A produção média dos últimos 10 anos está em torno de 78,7 hl/ha.

Solos

Os solos de Rheingau foram compostos por ardósia argilosa, quartzito, filito, sedimentos de terciário e de loess – a poeira deixada pela era do gelo. O solo dá ao vinho o seu caráter. Uma variedade que se reflete nas taças e deixa os especialistas suspirando: vinhos minerais da ardósia cinza (Lorch), os famosos vinhos tintos de Assmannshausen, da ardósia vermelha, vinhos marcantes e enérgicos do quartzito (Rüdesheim até Martinsthal), vinhos fortes da marga argilosa (p. ex. Erbacher Marcobrunn ou Domdechaney e Hölle, em Hochheim). O loess, existente em toda parte, produz Rieslings suaves e frutados.

Clima

Rheingau é uma região caracterizada por um clima muito ameno, quase mediterrâneo. Segundo a média dos últimos 30 anos, a quantidade de chuvas é de 582 mm por ano, sendo 361 mm durante o período vegetativo. A temperatura média gira em torno de 10,6° C, mas 15,4° C se relacionada ao período vegetativo. 1.600 horas de sol, sendo mais de 1.300 durante o período vegetativo, já dizem tudo.

Vinicultores e cooperativas

Como em todos os lugares, o número de empresas vinicultoras também está diminuindo em Rheingau – nos últimos doze anos, foi reduzido em um terço para cerca de 1.000. Mais da metade dos vinhedos é cultivada por 63 empresas, proprietárias de uma área de mais de 10 hectares. 283 empresas com uma área entre 1 e 10 hectares cultivam cerca de 1.300 hectares no total. Em torno de 100 hectares são propriedade de microempresas. 60 % dos vinhos são vendidos em garrafas, 25 % em barris e os restantes 15 % são comercializados como mosto. As cooperativas participam da comercialização com apenas 6,3 %.

Mentalidade

Os hospitaleiros habitantes de Rheingau gostam de festejar, e muito! Há festas do vinho em quase todas as cidades, todos comem bem e não negam um bom copo da sua própria região. Naturalmente, isso se reflete também na gastronomia, que tem de tudo para oferecer, desde tabernas improvisadas, como as chamadas “Strausswirtschaft”, até templos de gourmets. E em todos os lugares é possível fazer contato com os habitantes de Rheingau, que sabem aproveitar a vida e gostam de partilhar seu amor pelo vinho com os outros.

Região vinícola Mittelrhein: cultivo do vinho como patrimônio mundial

Por 120 quilômetros ao longo de íngremes encostas de vinhedos, castelos, fortes e a famosa Loreley, o rio desliza pelas curvas entre Bingen e Bonn, pela paisagem histórica do Médio Reno (Mittelrhein, em alemão). A área de “Siebengebirge” (literalmente, “sete montanhas”) e a “Loreley” dividem a região vinícola oficialmente em duas zonas. A zona sul desta paisagem cultural única, marcada pelo cultivo do vinho, entre Koblenz e Bingen, foi nomeada pelaUNESCO como Weltkulturerbe em 2002. Isso serve de motivação para que os vinicultores conservem o cultivo nas encostas íngremes.

Rhein MAP

Particularidades regionais

Área cultivada de vinhedos e casta

O total de 460 hectares da “pequena” área de cultivo no Médio Reno estão ocupados principalmente com castas tradicionais. A uva Riesling domina mais de 70% da área cultivada. Suas uvas pequenas e de amadurecimento tardio representam melhor que qualquer outra as características que cedo fizeram a reputação mundial do vinho do Reno: seu estilo fino e marcante, a combinação fina e rica em nuanças do buquê e do sabor. São cultivadas ainda as variedades Weissburgunder e Grauburgunder, também excelentes acompanhamentos nas refeições. As variedades de uvas vermelhas no Médio Reno são Spätburgunder e Dornfelder. Os espumantes de Riesling são também muito populares.

Solos

A ardósia é a característica mais marcante dos solos na área de denominação Mittelrhein. Muitas vezes, os vinhedos, geralmente em terraços íngremes, parecem estar colados às encostas do vale, como ninhos de pássaros. O terreno seixoso e as rochas bruscas estão protegidos contra o vento e são aquecidos rapidamente pelo sol. Os solos dos vinhedos são dominados por ardósia azul ou escura, oferecendo as condições ideais para o crescimento de videiras de Riesling. Dizem que o Reisling tem um sabo “típico do Reno”: mineral, com fino aroma e acidez marcante. Ao norte de Koblenz surgem também rochas vulcânicas como púmice (pedra-pomes), tufo calcário e loess.

Clima

O Vale do Reno tem um clima ideal para as videiras, devido à passagem da corrente de ventos de temperatura amena vindos do sul. Os invernos mesno rigorosos, o início prematuro da primavera e um longo período vegetativo, até tarde no outono, são uma grande vantagem principalmente para o Riesling. Não são os meses quente e secos do verão, mas sim os verões amenos, com chuvas suficientes, que produzem aqui as grandes safras de vinhos nobres doces com o predicado “Auslese” para uvas selecionadas. Como a superfície da água do Reno proporciona um equilíbrio da temperatura, no estreito Vale do Médio Reno quase não há geadas fortes, mesmo nos invernos mais rigorosos.

Vinicultores e cooperativas

A estrutura da vinicultura no Médio Reno é marcada por empresas de famílias tradicionais, chefiadas por jovens empresários qualificados. Essas empresas cultivam de 3 a 12 hectares. Tanto o trabalho nas encostas, como a produção do vinho nas adegas e a comercialização são feitos pela mesma empresa. Muitas vinícolas mantêm uma pensão, pequenos restaurantes familiares, do tipo “Strausswirtschaft”, ou tabernas. O vinho da denominação Mitterhein é comercializado principalmente na própria região. Todo bom restaurante dispõe de produtos dos vinicultores locais.

Mentalidade

O povo do Vale do Reno é aberto, sociável e alegre. Eles têm orgulho de sua terra e de sua cultura, e arpoveitam qualquer oportunidade para fazer uma festa: seja o carnaval, o show de fogos de artifício “Rhein in Flammen”, ou uma das muitas festas populares e feiras do vinho. Os vinicultores organiizam as festas de suas vinícolas com muita individualidade, deixando o visitante acompanhar seu trabalho e cuidando do seu bem-estar com especialidades da cozinha e da adega. O lema é: “Venha festejar conosco”!

A região vinícola Mosel: os mais finos Rieslings.

Os rios Mosela, Sarre e Ruwer deslizam por curvas estreitas e tortuosas através de um território no qual os celtas e os romanos já cultivavam vinho 2.000 anos atrás. A região do Mosela, que leva a denominação alemã Mosel, é a mais antiga região vinícola da Alemanha e a maior região de cultivo de vinho em encostas. As encostas e terraços voltados para o sul ou sudoeste proporcionam um microclima excelente para as uvas, como também para plantas e animais raros. Por isso, os vinhos minerais e elegantes do Riesling das encostas, produzidos na região do Mosela, Sarre e Ruwer, estão entre os melhores vinhos brancos do mundo.

Mosel MAP

Particularidades regionais

Área cultivada de vinhedos e casta

Com 9.000 hectares de vinhedos, Mosel é a quinta maior região vinícola da Alemanha. A uva Riesling é a número 1 nas encostas de vinhedos: 5.273 hectares (60%) estão cultivados com a rainha das uvas brancas. Uma especialidade da região Mosel é a antiga casta Elbling, que só é cultivada em maiores quantidades na região do Alto Mosela (Obermosel). Outras variedades importantes de vinho branco são Müller-Thurgau, também chamada de Rivaner, além da Weißer e Grauer Burgunder. 90% de todos os vinhos são brancos, as castas de tintos, como Blauer Spätburgunder, Dornfelder, Regent e outras, ocupam apenas 10% do território cultivado.

Solos

Os atuais vinhedos estão sobre terrenos que antes ficavam no fundo do mar, em praias ou áreas de maré: sedimentos de oceanos pré-históricos tornaram-se montanhas e sofreram erosão ao longo de milhões de anos. As encostas do Sarre do Ruwer e do Médio Mosela são compostas de ardósia devoniana com mais de 400 milhões de anos. No Baixo Mosela, entre Zell e Kobelnz, há arenito de quatzito e cal com ardósia. O Alto Mosela pertence à Bacia Parisiense. Ali as videiras estão sobre rochas de dolomita, com solos de coquina, Keuper e marga. Uma especialidade é a chamada “Rotliegend” em Ürzig/Médio Mosela, uma rocha vermelha de origem vulcânica.

Clima

O Mosela e seus afluentes causaram uma profunda erosão nas montanhas conhecidas Rheinische Schiefergebirge, criando com isso as condições geológicas e climáticas necessárias para a vinicultura. Devido à localização protegida dos vales, a região é uma das zonas climáticas mais quentes da Alemanha, e o acúmulo de calor dos rios impede geadas. Invernos pouco rigorosos e verões amenos são comuns. A temperatura média anual fica entre 9,1 e 10,5 graus Celsius, a quantidade anual de chuvas tem uma média de 800 mm. A duração média de luz do sol por ano é de 1.370 Stunden.

Vinicultores e cooperativas

Na região Mosel, os enófilos podem escolher entre milhares de vinhos. 5.000 produtores de vinho cultivam vinhas em 524 vinhedos diferentes. Em nenhuma outra região é possível escolher entre tantos vinhos de encostas diferentes, de caráter individual conforme o vinicultor. Cerca de 2.000 vinícolas oferecem seus próprios vinhos em garrafa, ou vendem diretamente em suas propriedades. Em todos os locais de vinicultores, há quintas vinícolas abertas para a compra ou degustação. Outras empresas levam suas uvas para a cooperativa Winzergenossenschaft Moselland ou para adegas, que vendem o vinho engarrafado para redes de comércio em todo o mundo.

Mentalidade

A população no Mosela é hospitaleira, bem-humorada, mas há também individualistas obstinados. Atrás de cada curva dos rios, o visitante descobrirá novos aspectos, lugares pitorescos em uma paisagem sempre supreendente. A região do Mosela sempre foi internacional: primeiro pertenceu ao Império Romano, depois foi marcada pelos celtas e francos, por monges da Borgonha, foi território alemão, depois francês e novamente alemão. A proximidade da França e de Luxemburgo pode ser sentida ainda hoje na mentalidade e no dialeto local. Em muitos lugares, o estilo de vida é quase mediterrâneo.

 Região vinícola Pfalz: mais Riesling, impossível.

A região vinícola do Palatinado, denominada oficialmente de Pfalz, pode ser descoberta da melhor maneira pela Deutschen Weinstraße. Essa rota turística de vinhos, a mais antiga do gênero no mundo, liga diversas cidades produtores de vinho, de Bockenheim, ao norte, a Schweigen, na fronteira com a França. A Rad- und der Wanderweg Deutsche Weinstraße permite conhecer de maneira agradável a região vinícola entre a floresta Pfälzerwald e o Reno, seja a pé ou de bicicleta.

PFALZ MAP

Particularidades regionais

Área cultivada de vinhedos e casta

Metade das videiras do palatinado fica no trecho da rota na montanhas centrais de Haardt, enquanto a outra metade fica no trecho sul da rota. Com mais de 5.000 hecatres de área cultivada, a região Pfalz é hoje a maior produtora de Risling em todo o mundo, juntamente com a região Mosel. No sul da Rota de Vinhos, é principalmente a variedade Burgunde que encontra condições ideais de cultivo. Entre as especialidades estão as Gewürztraminer e Scheurebe. Cerca de 40% dos vinhedos do Palatinado estão ocupados por variedades de vinho tinto, principalmente Dornfelder, Portugieser, Spätburgunder e Regent. Portanto, Pfalz é a maior região produtora de vinhos tintos na Alemanha.

Solos

A variedade dos solos dos vinhedos em Pfalz permitem cultivar uma grande variedade de uvas. Praticamente metade da área é composta de arenito de cor, com grande proporção de rochas nos limites das montanhas Haardt e areia nos locais mais baixos. Aqui crescem e são produzidos vinhos leves e elegantes. Nos solos de loess são cultivados principalmente vinhos de mesa, para o consumo diário, como Müller-Thurgau e Dornfelder. Solos de calcário erodido são predestinados perfeitamente para o cultivo de fortes Burgunder. Raridades de vinhos crescem nos solos de ardósia, em Burrweiler, nas rochas basálticas, em Forst, ou sobre “Rotliegend”, em Birkweiler.

Clima

O fato de que a estação de festas do vinho já começa em março, com a Festa das Amendoeiras em Flor, já diz muito sobre o clima ameno para a produção vinícola em Pfalz. Aqui crescem não só Spätburgunder e Riesling, figos e castanhas, mas também variedades originalmente mediterrâneas, de Cabernet Sauvignon até Merlot, Tempranillo e Syrah. É raríssimo acontecer que um inverno rigoroso gele as videiras, ou que um verão muito quente deixe as uvas secarem. A natureza é generosa e presenteia a região com 2.000 horas de sol por ano e um outono tardio e dourado. E há apenas 500 litros de chuva por metro quadrado.

Vinicultores e cooperativas

Mais de 140 localidades do Palatinado estão incluídas na área de vinhedos da denominação Pfalz. As maiores cidades produtoras de vinho na Alemanha, Landau e Neustadt, ficam em Pfalz. 3.000 famílias de vinicultores dedicam-se ao cuidadoso cultivo dos vinhedos profissionalmente, ou como atividade paralela. Suas uvas são fornecidas para algumas das cooperativas vinícolas mais próximas. Há cerca de duas dúzias delas no Palatinado. Pode ser também que uma adega assuma a colheita. Metade das empresas familiares – que geralmente cultivam mais de 10 hectares de vinhedos – produz seu próprio vinho e o vende diretamente. Há possibilidade de fazer degustações por todo o lugar.

Mentalidade

A gente do palatinado gosta de viver no campo, ou em cidades pequenas. Elas dão importância à familiariedade que uma comunidade pequena oferece. Todos se conhecem e festejam juntos. Não há cidadezinha de vinicultura que não tenha sua festa do vinho – até 200 delas convidam para comemorar o vinho. Nessas festas, todos sentam-se tradicionalmente em longas mesas, bebendo um Riesling com os habitantes locais, em grande copos.

Posts Recentes