Alsácia – História

Alsácia    •    Vinhos e Gastronomia    •   História

Em tempos pré-históricos, a Alsácia era habitada por tribos nômades de caçadores, mas por volta de 1500 a.C. os Celtas começaram a se estabelecer na região, desmatando e cultivando a terra. Por volta de 58 a.C., os romanos invadiram e estabeleceram a Alsácia como um centro de viticultura. Para proteger esta atividade valiosa, os romanos construíram fortificações e campos militares que se transformaram em diversas comunidades que têm sido habitadas sem interrupção até hoje.

Com o declínio do Império Romano, a Alsácia tornou-se um território controlado pelos Alamanos, um povo agrícola cuja língua formou as bases do moderno dialeto alsaciano. Os Francos expulsaram os Alamanos da região durante o século V, e a Alsácia tornou-se então parte do Reino da Austrásia. A Alsácia permaneceu sob controle franco até que o reino franco fosse dissolvido oficialmente em 843, com o Tratado de Verdun.

A Alsácia tornou-se então parte do Sacro Império Romano-Germânico e ficou sob a administração dos Habsburgos da Áustria até que fosse cedida à França no término da Guerra dos Trinta Anos em 1648. Enquanto isso, a Alsácia usufruiu de uma grande prosperidade durante o século XII e o século XIII, sob a administração dos Hohenstaufen, mas essa prosperidade teve fim no século XIV com uma série de invernos rigorosos, péssimas colheitas e a Peste bubônica. As dificuldades foram atribuídas aos judeus, levando aos pogroms terríveis de 1336 e 1339. Durante o Renascimento, a prosperidade retornou à Alsácia sob a administração dos Habsburgos.

A Alsácia, junto com a Lorena, foi durante séculos objeto de disputas e guerras entre a Alemanha e a França. A Alsácia e a Lorena foram anexadas pela França sob a administração de Louis XIV de França. Desde 500, a área foi povoada principalmente por uma população de origem e língua germânicas, que lutou contra a imposição da língua e costumes franceses (mostrando que esse território é essencialmente germânico). As duas regiões foram reunificadas à Alemanha após a Guerra Franco-Prussiana de 1870, causando a emigração (estimada) de 50000 pessoas (de um total de 1 milhão) para a França, e a Alsácia permaneceu parte da Alemanha até o final da Primeira Guerra Mundial, quando a Alemanha a cedeu de volta à França no Tratado de Versalhes. Alguns, no entanto, como o presidente dos EUA Woodrow Wilson, acreditavam que a região deveria ser independente e autônoma, pois sua Constituição definia que estava sujeita unicamente à autoridade do Kaiser, e não do Estado Alemão (muitos alsacianos defendiam a anexação ao Império Alemão que na época havia se tornado uma república).

Após a Primeira Guerra Mundial, os habitantes que tinham vindo de outras partes da Alemanha foram expulsos. A identidade germânica foi reprimida com uma política sistemática de proibição do uso do alemão e de seus dialetos, e a obrigação do uso do francês como língua vernacular. Isso humilhou os alemães, trazendo a revanche da II Guerra Mundial. Curiosamente, a região não foi obrigada e reconhecer as leis promulgadas na França entre 1870 e 1918, tais como a lei de separação entre a Igreja e o Estado.

A região foi anexada pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. A Alsácia foi absorvida pela região alemã do Baden, e a Lorena pela do Saarland (Sarre). Note-se o estatuto diferente da situação do resto da França, que foi ocupada pela Alemanha. Com isso, os alsacianos foram obrigados a se alistar nas forças armadas alemãs, como qualquer cidadão alemão. Muitos alsacianos foram enviados à Frente russa, a fim de distanciá-los da região natal e coibir as tentativas de deserção. Muitos desertaram, e suas famílias sofreram as consequências.

A região trocou de mãos novamente em 1944, voltando ao domínio francês, que restaurou a velha política de repressão do período entre-guerras. Por exemplo, de 1945 a 1984 o uso da língua alemã em jornais era restrito a um máximo de 25%. Nos últimos anos, com a diluição da consciência nacionalista, a liberdade cultural foi gradualmente restabelecida.

Cultura

Historicamente, a região passou da França para a Alemanha diversas vezes, resultando em uma rica mistura cultural. Além disso, era ponto de passagem para os deslocamentos humanos desde antes da Idade Média, tendo recebido inúmeras contribuições culturais.

Língua

Os dialetos alemães locais são o alsaciano e o frâncico. Apesar de que ambos possam ser distinguidos em francês (alsacien e francique), tende-se a se referir a ambos como alsaciano. Nenhum dos dois tem um estatuto oficial, apesar de ambos serem reconhecidos como línguas da França.

Quando a Alsácia estava sob controle alemão de 378 a 1648, de 1871 a 1919 e de 1940 a 1944, o uso da língua alemã era obrigatório.

Desde 1992, com o intuito de preservar a língua alsaciana, existem classes bilíngues paritárias na Alsácia, onde o ensino é dado em língua alemã (50%) e em língua francesa (50%). Atualmente, elas representam aproximadamente 5 % dos estudantes. No segundo grau (colegial), os alunos podem passar um diploma chamado Abibac, mistura do Abitur alemão e do Baccalauréat francês. O alsaciano pode ser falado no jardim de infância e pode ser ensinado ou falado na escola primária. No entanto, a parte escrita é feita em língua alemã, considerando que esta é a versão escrita comum do conjunto de dialetos alsacianos.

Símbolo

O símbolo da Alsácia é a cegonha, pássaro que, segundo as histórias contadas às crianças, trazia os bebês às famílias. Quase extinta na região há vinte anos, ela foi reintroduzida e começa a repovoar os telhados das igrejas e o céu da Alsácia. As cegonhas reintroduzidas sedentarizaram-se e não migram mais.

Posts Recentes